Dixon quebra rápido 22 corridas, derrota Herta e leva GP de Toronto de Indy

Foram 22 corridas e 14 meses de atraso, mas Scott Dixon está de volta ao Triumph Path da Indy. O neozelandês da Ganassi levou o GP de Toronto, realizado na noite deste domingo (17), no Show Spot. Após largar do vice-campeonato, o hexacampeão ultrapassou Colton Herta pouco depois da principal janela de reabastecimento para garantir sua 52ª vitória na profissão, a primeira desde o GP do Texas de 2021.

O posicionador do poste de Andretti, Herta, ficou feliz com a segunda colocação nas estradas canadenses. Foi apenas a segunda plataforma do piloto americano em 2022. O sueco Felix Rosenqvist, que sofreu um acidente com Alexander Rossi durante a corrida, levou a McLaren ao terceiro lugar, colocando-o entre os 3 principais de forma interessante desde seu triunfo na Street America, em 2020 .

Graham Rahal, da RLL, também teve a melhor consequência do ano, fechando a corrida em quarto lugar, depois de acertar seu procedimento. O pioneiro do título Marcus Ericsson teve mais uma grande aparição para fechar em quinto lugar.

O atual campeão Álex Palou, de Ganassi, fez uma boa recuperação após largar em 22º e fechar em sexto. Simon Pagenaud, Christian Lundgaard, Scott McLaughlin e Josef Newgarden equilibraram os 10 principais em Toronto. O brasileiro Helio Castroneves, do Meyer Knife, ficou em décimo sétimo lugar.

A IndyCar retorna daqui a um fim de semana com uma rodada dupla no oval de Iowa. A corrida 1 acontece no sábado (23), e a corrida 2 no domingo (24).

Saiba mais sobre o GP da Indy em Toronto:

O início foi aprovado às 16h29 (horário de Brasília). Herta começou bem e manteve a posição de titular. Rossi tentou ir para Newgarden, mas não conseguiu. Sato aniquilou a suspensão dianteira esquerda após ser movido por Castroneves na curva 8 e renunciou, causando a bandeira amarela primária da corrida.

A relargada ocorreu na volta 5. Herta logo começou bem, atrás de Dixon, Newgarden, Rossi e McLaughlin. Rosenqvist superou Malukas e apareceu na 6ª posição.

Após 10 voltas, Herta tinha uma vantagem de 1s612 sobre Dixon. O outro top 10, todos com pneus delicados, teve Newgarden, Rossi, McLaughlin, Rosenqvist, Malukas, Ilott, Ericsson e Lundgaard. Entre os primeiros colocados, o primeiro a ir para os boxes foi David Malukas, que voltou com pneus duros. Em seguida veio Callum Ilott.

Com 17 voltas, Newgarden e Rossi chegaram às boxes. No turno seguinte, foi a vez de Scott Dixon. Então, nesse ponto, vieram Herta e McLaughlin. No momento em que os veículos voltaram para a pista, o hexacampeão explorou o vírus dos pneus do americano da Andretti e passou a liderar o pelotão. Malukas surpreendeu e apareceu antes de Alexander.

Com problemas na asa dianteira, Ilott saiu da pista e mergulhou no pelotão. Com 24 voltas, a corrida teve um 4 principal formado por Rahal, VeeKay, O’Ward e Johnson, todos com pneus duros e sem pausas para reabastecimento. Graham acabou parando antes do previsto, enquanto Pato, que havia passado Rinus, seguiu a pista por voltas adicionais.

VeeKay entrou nos boxes na volta 32 e O’Ward parou pouco tempo depois. Dalton Kellett viu o motor Chevrolet de Foyt detonar, entrando nos boxes. Dixon finalmente começou a liderar o pelotão, vencendo Herta por 2s5. Johnson na verdade ficou em terceiro, com Daly em quarto e Newgarden, 14s atrás do hexacampeão, em quinto.

O pedido de veículo foi restabelecido na volta 37. Dixon estava à frente do pelotão, seguido por Herta, Newgarden, Rossi, Rosenqvist, Malukas, McLaughlin, Ericsson, Pagenaud e Rahal. Esse arranjo equivalente ocorreu quando a corrida chegou ao seu ponto médio.

Rosenqvist apertou bastante Alexander Rossi na luta pelo quarto lugar. Ao tentar dominar na curva 3, o sueco colocou o americano dentro, mas acabou quebrando e obrigando o piloto da Andretti a colidir com o muro. Bandeira amarela na pista. Com os boxes abertos, todos os pilotos se movimentaram para fazer a segunda parada da corrida, exceto Rinus VeeKay e Conor Daly, que ocuparam as duas primeiras posições.

Os 10 melhores da corrida tiveram VeeKay, Daly, Dixon, Herta, Rosenqvist, McLaughlin, Rahal, Pagenaud, Ericsson e Palou. A relargada ocorreu na volta 49, com os ponteiros mantendo suas posições individuais. Mais uma vez, a bandeira amarela apareceu, desta vez na volta 55 por causa do lixo na curva 1. Os boxes se abriram e Daly aceitou a porta aberta.

Depois de sair da pista de forma legítima, bandeira verde na volta 59. VeeKay se manteve bem na primeira posição, mas o amarelo apareceu mais uma vez, desta vez por causa de um acidente entre Kyle Kirkwood e Jimmie Johnson na curva 9.

No final, VeeKay entrou em campo, devolvendo a liderança a Dixon, que recomeçou seguido por Herta, Rosenqvist, McLaughlin, Rahal, Pagenaud, Ericsson, Palou, Lundgaard e Newgarden.

A largada aconteceu na volta 67. Dixon manteve-se bem na primeira posição, e quem surpreendeu foi Graham Rahal, que saltou para o quarto lugar. McLaughlin começou sério e caiu para 10º. Palou, em 6º, estava no encalço de Ericsson, procurando o melhor 5º lugar.

Scott subiu na liderança nas voltas finais, e a grande batalha da corrida foi pelo segundo lugar entre Colton Herta e Felix Rosenqvist .

Similar Posts